Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pequenos Jornalistas

Um espaço onde os alunos do JARDIM DE INFÂNCIA DE TREMOCEIRA manifestam as suas opiniões, gostos, curiosidades; relatam as suas vivências e descobertas, tal como pequenos "jornalistas" em acção, numa janela muito grande aberta para o Mundo

Pequenos Jornalistas

Um espaço onde os alunos do JARDIM DE INFÂNCIA DE TREMOCEIRA manifestam as suas opiniões, gostos, curiosidades; relatam as suas vivências e descobertas, tal como pequenos "jornalistas" em acção, numa janela muito grande aberta para o Mundo

obrigada

Árvore, símbolo de Vida!

pequenos-jornalistas, 05.01.10

Já sabiam?

"A Árvore de Natal é um símbolo de enorme força que foi extraído de rituais pagãos.

Durante o Inverno, os povos europeus tinham o costume de enfeitar suas casas com folhagens e árvores ainda verdes para alimentarem a esperança de que a Primavera se aproximava.

Sob o ponto de vista religioso, a árvore de Natal, toda verde, é sinal de Vida, enquanto os enfeites pendurados significam os bons frutos oferecidos por Jesus à Humanidade. Já as velas representam a presença de Cristo como Luz que ilumina o caminho dos homens e aquece os nossos corações.

O hábito de armar árvores de Natal sempre foi popular entre os germânicos, mas só se espalhou pelo mundo a partir de 1841 quando o príncipe Albert montou uma árvore no palácio real Britânico." (Texto extraído DAQUI )

 

Ao encontro da tradição

pequenos-jornalistas, 30.10.09

 

Uma tradição bonita e com sentido, esta do "Pão por Deus".

A solidariedade, a partilha, a bondade, o convívio, os laços de vizinhança, a amizade, ficam reforçados neste dia de Todos os Santos.

_Dá Pão por Deus ó Tia?

Se não me der hoje, venho cá outro dia!...

Assim será no próximo dia 1 de Novembro, um pouco por todo o nosso Portugal, com bandos de crianças alegres!

Indo ao encontro desta tradição e como já vem sendo habitual, preparámos a saquinha e amassámos os bolinhos do Pão por Deus no Jardim de Infância.

Todos participaram activamente na sua confecção. Para os cozer fomos pedir ajuda à avó Mila, que logo se disponibilizou para acender o forno de lenha e cozer nele os bolinhos que ficaram deliciosos!

Muito obrigada!

 

 

 

Receita dos bolinhos do Pão por Deus

 

Ingredientes


2 Kg de farinha

2 kg de batata cozida

1,5 Kg de açúcar

8 ovos

125 g de manteiga

raspa de 2 limões

1 colher de chá com canela

1 colher de chá com erva doce

1 colher de chá com fermento em pó

nozes, passas, pinhões, figos, a gosto...em pedaços pequenos


Cozer a batata e passar com o passe-vite. Misturar o açúcar e a manteiga ao puré ainda quente e mexer bem. Juntar os ovos um a um e misturar. Adicionar a raspa dos limões, a canela, a erva doce e o fermento. Depois juntar a farinha, amassando bem. Por fim juntar os frutos secos e misturar na massa. Podem adicionar mais farinha, a fim de se tenderem os bolinhos sem se colarem às mãos. Esta massa não precisa levedar.

Tendem-se então os bolinhos que vão ao forno quente em tabuleiros polvilhados com farinha.

Bom apetite e Bom Pão por Deus!

 

Viver uma tradição

pequenos-jornalistas, 04.06.09

Mesmo sem campos de trigo nem papoilas por perto ( as  3 espigas que ficaram no raminho do Jardim de Infância vieram de longe , trazidas pela Beatriz), quisemos manter a tradição e cada um de nós apanhou a Espiga com 3 espigas de faz de conta, 3 raminhos de oliveira, 3 flores amarelas e 3 papoilas que tivemos que fazer usando os caules de ervas duras e papel crepe vermelho...

 

Os Pequenos Jornalistas já sabem a simbologia destas plantas e descobriram mais informação sobre esta tradição AQUI.

 

   

 

As papoilas foram então acrescentadas aos raminhos da Espiga que agora estão pendurados na casa de cada um, para que haja sempre Pão, Saúde, Alegria, Paz!

Lembranças que perduram

pequenos-jornalistas, 21.06.08

Lembraremos sempre os nossos amigos mais velhinhos, cada vez que jogarmos os jogos que eles nos ensinaram e que agora vamos pintar com tinta de óleo no chão do nosso recreio.

Começámos por pintar o jogo da "Semaninha", em que uma malha é empurrada com a ponta do pé cochinho de um dia da semana para outro, até chegar ao Domingo, mudando de direcção na quinta-feira.

 

 

 

 

Apanha da azeitona

pequenos-jornalistas, 27.11.07

Oliveirinha da serra
O vento leva a flor

Ó-i-ó-ai só a mim ninguém me leva

Ó-i-ó-ai lá p´ró pé do meu amor!

Assim cantaram os Pequenos Jornalistas quando foram participar da apanha da azeitona num terreno próximo do Jardim de Infância.
Estamos em plena época deste trabalho do campo que mobiliza muita gente, em especial os mais idosos que durante a semana são os mais disponíveis. Aos fins de semana ajudam outros membros da família e amigos.
Querem ver como foi?

 


 

O Magusto de S. Martinho

pequenos-jornalistas, 11.11.07
Porque viver as tradições é importante, antecipando um pouco o Dia de S. Martinho que se comemora hoje, fizemos o Magusto na 6ªfeira, dia 9 de Novembro, no exterior do Jardim de Infância, em conjunto com os amigos do 1º Ciclo e suas respectivas professoras e auxiliar.

Com pinhas, caruma e alguns ramos secos que os colegas trouxeram, fizemos uma grande fogueira onde assámos as castanhas.



Depressa ficaram assadas e enfarruscadas!




Com a casca estaladiça, espalhavam um delicioso cheirinho a castanhas assadas no ar...!



Com um cartuchinho nas mãos, esperámos pacientemente que chegasse a hora de as provarmos...



Tão doiradas e saborosas!  Que fruto seco tão gostoso quando assado nas brasas!


                            
 
Cantámos estas canções, um grupo de colegas do 1º Ciclo apresentou uma dança coreografada por eles, fizemos teatro com sombras chinesas contando a história de S. Martinho, planeámos uma campanha conjunta de solidariedade para com os mais necessitados, brincámos juntos...
Foi um Magusto que com certeza irá ficar na nossa memória!

Uma desfolhada...

pequenos-jornalistas, 20.10.07
A Guida registou algumas imagens de uma desfolhada no Lar de Idosos da Cruz da Légua (Associação de Bem Estar); estiveram presentes  elementos do rancho Folclórico de Pedreiras, para animarem mais a festa! (O seu filho João Fernandes também acompanhou com curiosidade todo o processo).
Depois fez este texto explicativo com a ajuda de alguns desses idosos:
" Antigamente ceifava-se o pasto com a espiga e levava-se para a eira. O pasto punha-se fora da eira e desfolhava-se o milho para a eira. Na eira procedia-se à descamisada, feita por um grupo de pessoas; quando aparecia uma maçaroca preta dava-se um beijo ou um abraço a todos. Quando aparecia uma maçaroca raiada, dava-se um beliscão ao parceiro. No fim fazia-se um baile.
As maçarocas ficavam espalhadas na eira para secarem e as camisas eram colocadas fora da eira; estas serviam para encher colchões ou para alimentar o gado, juntamente com o pasto. Normalmente nessa noite os donos do milho dormiam na eira a guardar o milho.
Depois do milho seco era descarolado e deixado novamente na eira a secar; a partir daqui o milho estava pronto para ser utilizado."
Pela parte dos Pequenos Jornalistas, obrigado por esta explicação e pelas fotos que seguem!
 

Pisar uvas!

pequenos-jornalistas, 13.10.07

O Pequeno Jornalista João Fernandes teve há alguns dias a oportunidade de fazer uma coisa de que ele gostou muito: foi pisar uvas no lagar do senhor Artur!

Por não termos transporte e ser longe do Jardim de Infância, foi-nos impossível irmos todos a esse lagar aprender um pouco do processo de transformação das uvas em vinho.

Mas a Guida, mãe do João, fez algumas fotos e através delas quis partilhar connosco aqueles momentos que acompanhou. Ela deu-nos também algumas informações que agradecemos desde já!

Este é um lagar muito antigo, onde tudo se passa como antigamente!

 

As uvas têm que ser bem pisadas! O João Fernandes está a ajudar o senhor Artur.

 

A pesada vara de madeira atravessa o lagar, saindo uma ponta pela janelinha estratégicamente aberta para a rua. É ela , em conjunto com o fuso ou rosca, e tendo numa ponta o peso (base de pedra que está ligada ao fuso), que faz espremer o pé (a parte sólida que resta após serem pisadas as uvas).

 

 

 

Entretanto, o sumo das uvas pisadas vai escorrendo pela bica feita de um bloco de pedra com um rego, para dentro da pia, também ela feita de pedra!

 

 

 

É então que depois de passar pelos depósitos de cimento e de sofrer algumas transformações, aquele sumo de uvas ou mosto vai descansar dentro de barris, vasilhas ou tonéis, (todos feitos de madeira), até chegar o dia de S. Martinho e se provar o vinho!

 

Nós também provámos mas foram as frescas e deliciosas uvas que a Guida nos trouxe junto com estas fotos!

Muito obrigado!